Notícias

Aniversário Sacerdotal do Padre Bruno

 

“Um bom pastor, um pastor segundo o coração de Deus, é o maior tesouro que o bom Deus pode conceder a uma paróquia e um dos dons mais preciosos da misericórdia divina.”

São João Maria Vianney

 

Há exatos 2 anos, no dia 7 de novembro de 2015, 6 jovens foram chamados pelo Senhor da Messe para a dignidade do sacerdócio ordenado. Entre eles, estava o então jovem diácono Bruno Vianna Citelli que, consciente do ardor que movia sua alma para o serviço do povo de Deus, sabia também da limitação humana perante a sabedoria do Senhor e por isso mesmo confiava a Ele o ministério que iniciava naquele dia: “A certeza do chamado, só teremos quando o bispo impuser as mãos sobre as nossas cabeças. Talvez só haja uma resposta definitiva quando estivermos frente a frente com Cristo e Ele confirmar nossa vocação. Mas a cada dia tenho mais claro que, de fato, seguir a Jesus Cristo, amar a Igreja acima de tudo vale a pena e, mais do que isso, não amar por mim mesmo, mas mostrar àqueles que me são confiados o verdadeiro amor que Cristo tem por cada um de nós”.

Com essas breves palavras, Padre Bruno parecia confirmar em sua vida o que o Papa emérito Bento XVI nos recorda sobre algumas condições necessárias para que a vida do padre esteja em consonância crescente com Cristo: “a aspiração a colaborar com Jesus na propagação do Reino de Deus, a gratuidade do compromisso pastoral e a atitude do serviço (Homilia, 4 de novembro de 2011).

Bento XVI, a quem Padre Bruno muito admira, nos dizia na mesma ocasião que “nunca podemos esquecer — como sacerdotes — que a única ascensão legítima rumo ao ministério de Pastor não é a do sucesso, mas a da Cruz”.

Naquele dia 7 de novembro, o neosacerdote Bruno já demonstrava grande lucidez diante das renúncias e dos sacrifícios exigidos daqueles que, em sua liberdade, se apaixonam e decidem seguir a Cristo, em especial na vida sacerdotal. Sabia ele que “deixar tudo e seguir Jesus é sempre um processo doloroso porque deixamos nossa área de conforto e aquilo que temos para ir ao encontro dele: ‘Quem quiser me seguir, tome sua cruz e me siga’ (Mt 16, 24). Esse processo radical da cruz também deve ser para todos aqueles que querem deixar aquilo que é seu e pertencer por completo a Cristo. Ir ao encontro de Cristo requer renúncias, e a Igreja está aí para nos mostrar esse caminho da renúncia e de cruz”.

Nesse pouco mais de 1 ano em que Padre Bruno foi escolhido por Deus para ser pastor desta pequena comunidade paroquial, temos testemunhado seu amor pelo Senhor e o zelo por sua casa, demonstrados também pelo serviço fiel ao seu povo. Que nesses 2 anos de ordenação sacerdotal, possamos rezar pelo nosso sacerdote e também por todos os seus companheiros de ordenação (Gabriel, Jefry, Renato, Rogério e Tiago) para que o Senhor continue confirmando neles Sua solicitude, através do ministério confiado de cada um.

“Os presbíteros são dispensadores dos meios de salvação, dos sacramentos, de maneira especial da Eucaristia e da Penitência, e não dispõem deles a seu próprio arbítrio, mas são seus servos humildes para o bem do Povo de Deus. Então, é uma vida profundamente marcada por este serviço: pelo cuidado atento do rebanho, pela celebração fiel da liturgia e pela solicitude imediata por todos os irmãos, especialmente pelos mais pobres e necessitados” (Bento XVI, Homilia, 4 de novembro de 2011).

Fonte: ArqRio